RESERVATÓRIO DA MÃE D'ÁGUA DAS AMOREIRAS

Sinopse do Espetáculo

A entrada em Lisboa do Aqueduto das Águas Livres, marcada pelo arco da Rua das Amoreiras, realizado pelo arquitecto húngaro Carlos Mardel, entre 1746 e 1748, fechou-se no Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras.

A cisterna conheceu três plantas, apresentando um projecto inicial cuja implantação incluía mais três arcos levando o edifício até à face norte do Largo do Rato. No projecto final, o reservatório surgiu simplificado com a diminuição do número de tanques e da carga decorativa exterior.
Após a morte de Carlos Mardel, em 1763, o reservatório final do Aqueduto, iniciado em 1746, ainda estava por concluir. A obra foi retomada, em 1771, por Reinaldo Manuel dos Santos, que introduziu algumas modificações ao plano inicial.
As principais alterações ao projecto sentiram-se na cobertura do edifício, na cascata e na substituição das quatro colunas toscanas, projectadas por Mardel, por quatro robustos pilares quadrangulares.
A obra do reservatório, apesar de ter sido várias vezes retomada, mesmo após a morte de Reinaldo dos Santos, em 1791, só viu terminado o remate da cobertura e mais alguns pormenores em 1834, já durante no reinado de D. Maria II.
Actualmente, o Reservatório da Mãe d’Água apresenta-se como um espaço amplo, luzente e unificado, sugerindo o seu interior a planta de uma igreja estilo Salão, propondo a sacralidade do espaço.
A água das nascentes jorra da boca de um golfinho sobre uma cascata, construída com pedra transportada das nascentes do Aqueduto das Águas Livres, e converge para o tanque de sete metros e meio de profundidade, que apresenta uma capacidade de 5.500 m3. Do tanque emergem quatro colunas que sustentam um tecto de abóbadas de aresta que, por sua vez, suporta o magnífico terraço panorâmico sobre a cidade de Lisboa.
Na frente ocidental deste reservatório encontra-se a Casa do Registo, local onde se controlavam os caudais de água que partiam para os chafarizes, fábricas, conventos e casas nobres.
O Museu da Água promove e dinamiza visitas livres e guiadas ao Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras.

NOTAS

Horário
Encerra à 2ºfeira e aos feriados
Bilhete pago a partir dos 18 anos ( Inclusive)
Visita Livre | Horário: 3ªf a 6ª, 10h00 às 16h00
Sábado e Domingo das 10h às 14h.

Informação adicional
Enquanto perdurarem as limitações horárias impostas pela pandemia no que respeita aos fins-de-semana, os espaços do Museu da Água abertos ao público nestes dias funcionarão entre as 10h00 e as 13h00;
Todos os espaços encerram aos feriados;
No primeiro domingo do mês a entrada é gratuita;
Última admissão: 30 minutos antes do encerramento;
Bilhetes pagos a partir dos 18 anos (visita livre);
As visitas guiadas obrigam a marcação prévia.

PREÇOS

Entrada | 4,00

Descontos
Estudantes |  Cartão LisboaCard | + 65 Anos | Cartão Sábado | Cartão Jovem

conhece as vantagens fnac

Vantagens exclusivas para aderentes fnac

OFERTA DA COMISSÃO DE BILHETEIRA NAS LOJAS FÍSICAS FNAC

Oferta no valor de 1€ por bilhete. Adere e desfruta desta vantagem.

Reserva gratuita de entradas para espetáculos nacionais

Até 1 semana antes do espetáculo. As reservas têm validade de 5 dias, mediante autorização do promotor.

Descobre todas as vantagens do Cartão Fnac em Fnac.pt

Adere já

Seguro Fnac

Seguro Bilheteira por apenas +1,5€ por bilhete. Reembolso do valor unitário do bilhete, até ao limite máximo de 120€.Condições Gerais do Seguro

Call center FNAC

Todos os dias, das 10h às 20h, através do número 211 536 000 (chamada para rede fixa nacional).

bilheteiras FNAC

Ver Todas

Utilização de cookies

Ao continuares a navegar estás a consentir a utilização de cookies que possibilitam a apresentação de serviços e ofertas adaptadas aos teus interesses. Podes alterar as tuas definições de cookies a qualquer altura. Para saber mais, clica aqui